Castigar ou aplicar consequências? Qual a melhor opção?

Castigo

Uma forma dos pais tentarem impor limites é através do castigo, porém nem sempre ele funciona e os pais acabam ficando desesperados! Por qual motivo o castigo não funciona? Castigar é tirar algo que a criança “gosta”, por exemplo: brinquedos preferidos, celulares, tablet, etc.

Quando os pais chegam ao ponto de castigar, muitas vezes, eles estão nervosos, com raiva e muito estressados. A conduta com a criança acaba sendo agressiva e, em muitos momentos, acontecem várias vezes seguidas, ou seja, cada vez tiram mais brinquedos.

A criança vai “perdendo” os seus pertences, mas acaba usando outros itens para se distrair… até o ponto em que os pais ameaçam que “vão tirar tudo”, diante desse cenário várias crianças até dizem “podem tirar, eu não ligo”!

Nesse momento se inicia uma guerra familiar, um jogo de forças e poder, mas, na maioria das vezes, ninguém sai ganhando! No término do castigo (que nem sempre dura o tempo estipulado!) as crianças estão mais irritadas ou revoltadas e não aprenderam NADA sobre o seu comportamento e a possível mudança dele! Como lidar?

Antes de pensar “meu filho não me obedece“, experimente praticar as dicas deste ebook ilustrado, fácil de ler e gratuito.

 

O que significa aplicar as consequências da ação?

É fazer com que as crianças vivenciem o resultado de suas próprias ações. O objetivo é que a criança entenda que toda atitude gera uma reação. Ao invés dos pais aplicarem o castigo, nervosos com a situação, eles podem, calmamente, mostrar para a criança o que ela fez e solicitarem um reparo.

Por exemplo: se a criança bateu no irmão, os pais podem mostrar para a criança que ela não parece estar feliz com a brincadeira e que precisa parar de brincar, pois bateu no irmão e/ou dizer que é ela quem vai cuidar do irmão machucado.

Quando a criança nota o resultado da sua própria ação ela se torna uma criança mais consciente dos seus atos, gera responsabilidade e, futuramente, autonomia. É importante que os pais façam isso sempre, com certa autoridade e regularidade.

Não intercale castigos com consequências, desta forma não terá eficiência. As consequências também não podem ser sempre as mesmas, dependerá de cada situação, caso contrário, virará um castigo! É a melhor forma da criança notar as emoções, vontades e limites do outro.