“Filho, você quer apanhar?”

Qual resposta você almeja ao questionar se o seu filho quer apanhar?

Muitas vezes, utilizamos a ameaça com o objetivo de mudar o comportamento dos nossos filhos, mas nem sempre percebemos que fazemos alguns questionamentos que podem ter um efeito totalmente contrário.

Ao fazer esse tipo de questionamento (e outros também, por exemplo: “Você quer ficar de castigo?”; “Você quer perder o videogame?”; etc.) podemos ter dois tipos de resposta: 1) “Sim, eu quero ficar de castigo” (como forma de provocação). 2) “Não, você será a pior mãe/pai do mundo se me bater” (como forma de chantagem emocional).

Veja que nas duas opções acima estamos tirando a autoridade positiva dos pais e transferindo o poder para o próprio filho, pois ambas respostas provocam os pais e geram embates.

Por qual motivo os pais perguntam se os filhos querem apanhar?

O objetivo dos pais ou educadores é tentar gerar certo “medo e preocupação” para que o tal comportamento ruim daquele momento seja alterado e se alcance um novo e melhor.

Outro problema é que essas frases também estão sobrecarregadas de ameaças e ao ameaçar os nossos filhos geramos neles uma expectativa de que algo irá acontecer e a criança fica na expectativa dessa “coisa” que virá e isso, consequentemente, gera muita ansiedade por parte dos pequenos. Eles ficam no aguardo do que virá, mas, nem sempre a “ameaça chega”.

Para evitar isso faça combinados antes de sair, use os quadros de rotina de estudo e de tarefas, prometa coisas que você saiba que são possíveis cumprir, coloque regras e limites claros e cumpra-os. Repare em você mesma e tente alterar o seu discurso, ou seja, quando possível: aja, não ameace.

Como agir da melhor maneira? Para saber mais conheça o nosso treinamento em vídeo.